domingo, 14 de abril de 2024

Existem muitas frutas que só existem no Brasil, graças a nosso clima e biodiversidade que nos privilegia com inúmeras opções


Você sabia que o Brasil possuí pelo menos 312 frutas tipicamente brasileiras? Pois é, apesar de um número incrível de frutas, como nosso país é rico em biodiversidade, temos potencial para muito mais frutas.

Devido ao nosso tamanho e nossa produção de frutas, somos, atualmente, o terceiro maior produtor de frutas de todo o mundo. Contudo, apesar do número impressionante de frutas típicas do Brasil e devido a nossa grande produção, apenas seis delas são cultivadas comercialmente em grande escala.

Além disso, existem ainda, muitas frutas que exóticas que já existiram no Brasil e hoje estão completamente extintas, como, por exemplo, o oiti-da-baía, que inclusive era uma das frutas favoritas do imperador dom Pedro II, e que, infelizmente não existe mais.

Frutas que só existem no Brasil

O Brasil é um dos países com maior diversidade de frutas do mundo, muitas que inclusive, são conhecidas exclusivamente em suas regiões de origem. Para ampliar seu conhecimento, vamos te apresentar 100 frutas incríveis que são nativas do Brasil:

  1. Açaí
  2. Cupuaçu
  3. Guaraná
  4. Jabuticaba
  5. Caju
  6. Graviola
  7. Pitanga
  8. Pequi
  9. Buriti
  10. Bacaba
  11. Cambuci
  12. Araçá
  13. Maracujá (várias espécies nativas)
  14. Mangaba
  15. Cagaita
  16. Umbu
  17. Piquiá
  18. Andiroba
  19. Murici
  20. Juçara (ou Jussara)
  21. Jenipapo
  22. Bacuri
  23. Tucumã
  24. Camu-camu
  25. Araticum
  26. Cabeludinha
  27. Catolé
  28. Cajá
  29. Guabiroba
  30. Pupunha
  31. Siriguela
  32. Taperebá (ou Cajá-mirim)
  33. Uxi
  34. Inajá
  35. Burahem
  36. Araçá-boi
  37. Araçá-pera
  38. Araçá-rosa
  39. Araticum-cagão
  40. Araticum-do-mato
  41. Bacupari
  42. Biribá
  43. Cabeludinha
  44. Cacauí
  45. Cajá-manga
  46. Cajá-umbu
  47. Cajueiro-anão
  48. Canistel
  49. Cereja-do-rio-grande
  50. Cereja-nacional
  51. Fruta-pão
  52. Figo-da-índia (Opuntia e Cereus, gêneros nativos)
  53. Grumichama
  54. Guabiju
  55. Guabiroba
  56. Huito (ou Jenipapo)
  57. Imbu
  58. Ingá-cipó
  59. Ingá-de-metro
  60. Ingá-feijão
  61. Jaracatiá
  62. Jatobá
  63. Juá
  64. Jurubeba
  65. Lobeira
  66. Maçaranduba
  67. Mamica-de-cadela
  68. Mangaba
  69. Marolo
  70. Matamatá
  71. Maxixe-do-reino
  72. Murici
  73. Oiti
  74. Pacari
  75. Palmeira-juçara
  76. Pata-de-vaca
  77. Patiquera
  78. Pequiá
  79. Pinha-do-brejo
  80. Pitanga
  81. Pitanga-tuba
  82. Pixirica
  83. Puçá
  84. Puruí-grande
  85. Quina
  86. Sapota-do-solimões
  87. Sapucaia
  88. Sorva
  89. Tamarindo-brasileiro
  90. Tucum
  91. Umarí
  92. Umbu-cajá
  93. Umiri
  94. Uvaia
  95. Uxi-liso
  96. Uxi-pucu
  97. Vaupés-caimito
  98. Waraná (variante regional do Guaraná)
  99. Xixá
  100. Yacon (embora mais conhecido por sua raiz, também produz frutos)

Porque temos tantas frutas no Brasil?

A imensa diversidade de frutas originárias do Brasil pode ser atribuída a vários fatores interligados, principalmente relacionados à sua vasta extensão territorial, diversidade de ecossistemas e clima variado.

O Brasil é o quinto maior país do mundo em área, abrangendo diferentes zonas climáticas, que vão do tropical ao subtropical. Isso permite a existência de uma variedade de ecossistemas, como a Floresta Amazônica, a Mata Atlântica, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga, e os campos sulistas. Cada um desses biomas possui características próprias que favorecem a flora e fauna específicas, incluindo uma grande variedade de frutas.

A variação climática, com áreas que apresentam clima equatorial, tropical, semiárido e subtropical, também ajuda, criando ambientes ideais para o desenvolvimento de diferentes tipos de plantas frutíferas. Algumas frutas prosperam em climas quentes e úmidos, enquanto outras se adaptam melhor a condições mais secas ou frescas.

Além disso, a biodiversidade brasileira é o resultado de milhões de anos de evolução e adaptação das espécies às mudanças climáticas e geográficas. Esse longo processo evolutivo levou ao desenvolvimento de uma vasta gama de espécies vegetais, incluindo muitas frutas com adaptações específicas que as ajudam a sobreviver e se reproduzir em seus ambientes naturais.

Como consequência, a combinação desses fatores criou um ambiente propício para a proliferação de uma ampla gama de frutas nativas, muitas das quais são encontradas apenas no Brasil. A conservação desses ecossistemas e da biodiversidade é super importante não apenas para a preservação das espécies existentes, mas também para o potencial descobrimento e utilização de plantas ainda não conhecidas pela ciência ou pela indústria alimentícia.

Informação: Meu Valor Digital 

sábado, 13 de abril de 2024

As fortes chuvas estão causando consequências em vários municípios maranhenses. De acordo com informações da Defesa Civil do Maranhão, 15 municípios já decretaram situação de emergência, 692 famílias estão desabrigadas e 1.716 desalojadas.

Alguns locais estão registrando alagamentos, enchentes e deslizamentos de terra. Nesse cenário de grande incidência de ventanias, muita chuva e descargas atmosféricas (raios e trovões), a Equatorial Maranhão alerta que é preciso ter atenção redobrada com a energia elétrica e ter sempre muito cuidado.

“Acidentes com eletricidade no período chuvoso, muitas vezes, são fatais, pois chuva e energia elétrica formam uma combinação perigosa e os cuidados devem ser redobrados nesta época, seja em casa ou na rua”, alertou Gabriel Vieira, Executivo de Segurança do Trabalho da Equatorial Maranhão. O especialista informa ainda algumas medidas de segurança para evitar acidentes com choques elétricos, curtos-circuitos e quebra de postes.

• Observe se há goteiras perto de instalações elétricas, pois água conduz energia;

• Desconecte da tomada equipamentos eletroeletrônicos sensíveis quando perceber que a chuva se transformou em uma tempestade com raios

• Se perceber que as paredes de casa estão úmidas, evite o contato com elas e não ligue equipamentos elétricos em tomadas, pois a umidade pode gerar danos às instalações elétricas, causando defeitos nos equipamentos;

• Durante as chuvas, não faça manutenção em telhados e cercas elétricas por causa do risco de ser atingido por descargas atmosféricas (raios). Também não se deve fazer manutenção em equipamentos elétricos ligados à tomada devido ao risco de choque elétrico;

• Ao primeiro sinal de alagamento, os eletrodomésticos devem ficar fora da tomada e se o nível da água subir muito, desligue a chave geral (disjuntor);

• Se estiver na rua, não fique em áreas como campos de futebol, piscina, lagos, praias, árvores, mastros, locais elevados ou embaixo de postes e fiação elétrica. O recomendado é procurar um abrigo;

• Se algum cabo cair ao solo, não se aproxime e nem toque em pessoas ou objetos que estejam em contato com a rede elétrica. Isole a área e ligue imediatamente para a Central de Atendimento da Equatorial, no número 116, e para o Corpo de Bombeiros, no 193;

• Em casos de alagamento, siga todas as orientações da Defesa Civil e Corpo de Bombeiros. Só volte ao local quando o nível da água baixar e quando for orientado pelos órgãos competentes.

Vale ressaltar que nessas situações, os órgãos competentes realizam avaliação técnica em áreas alagadas, e quando necessário acionam a Distribuidora para desligar a energia com o propósito de evitar acidentes envolvendo a rede elétrica. E assim que esse nível de água baixar, a Distribuidora realiza a religação com segurança para todos.

A Equatorial orienta que, em situações de acidentes envolvendo a rede de energia elétrica, a população jamais deve tocar em vítimas de choque elétrico e deve ligar imediatamente para a Central 116, Samu, no 192, e Corpo de Bombeiros, no 193.

Informação: Assessoria de Imprensa da Equatorial Maranhão

A primeira unidade do avião E190F, do projeto E-Freighter da Embraer, passa pelos testes finais em São José dos Campos (SP)


A primeira unidade do avião E190F, do projeto E-Freighter da Embraer, passa pelos testes finais em São José dos Campos (SP) antes de ser entregue à Regional One, empresa de leasing dos Estados Unidos.

Para quem tem pressa:

* A primeira unidade do avião E190F, do projeto E-Freighter da Embraer, está em testes finais em São José dos Campos (SP). Depois, será entregue à Regional One, empresa de leasing dos EUA;

* Convertido de passageiros para carga, o E190F oferece 50% mais volume de carga, com capacidade total de 13,5 mil quilos e alcance três vezes maior que grandes cargueiros turboélices. Em suma, o projeto da Embraer visa eficiência e redução de custos;

* Lançado em 2022 pela Embraer, o programa de Conversões de Passageiros para Carga (P2F) atende às demandas de entregas rápidas e longas distâncias, com a conversão de aeronaves antigas para cargueiros pensados para o mercado atual.

A aeronave realizou seu primeiro voo no município, que fica no interior do estado de São Paulo, recentemente. O voo, de duas horas, veio após o teste bem-sucedido da pressurização de solo e capacidades de carregamento de carga do E190F.

Projeto E-Freighter da Embraer

A aeronave E190F ser E-Freighter significa que é um avião convertido de transporte de passageiros para cargueiro. A ideia é melhorar as capacidades típicas de uma aeronave de carga padrão. Esses E-Freighters (Embraer tem o E195F também) atuam como aeronaves de carga reforçadas, com mais volume e maior alcance. E operando a custos menores.

Para você ter ideia, uma aeronave Embraer E-Freighter promete oferecer 50% mais volume, o que se converte numa capacidade de carga total (porão mais deck principal) de 13,5 mil quilos para o E190F e 14,3 mil quilos para o E195F.

Além disso, o alcance das aeronaves E-Freighter é três vezes maior que o de grandes cargueiros turboélices. Em termos de custos operacionais, a fabricante afirma ser 30% mais eficaz que um narrow-body (aqueles mais finos, de fuselagem estreita). Aliás, os aviões E190F e E195F foram projetados para preencher a lacuna entre os turboélices existentes e os narrow-bodies.

Após a conclusão dos testes, a primeira unidade do avião E190F começará a rodar para a Regional One. Para quem não sabe: empresa de leasing oferece contratos de arrendamento mercantil para pessoas e outras empresas.

No leasing, a empresa adquire um bem (no caso, a aeronave) e o cede ao cliente por um período de tempo determinado, mediante o pagamento de parcelas mensais. Ao final do contrato, o cliente pode ter a opção de comprar o bem por um valor residual pré-definido, devolver o bem ou renovar o contrato.

Conversão de aeronaves

A Embraer lançou o programa de Conversões de Passageiros para Carga (P2F) em 2022. Os E-Jets convertidos foram descritos como uma resposta às demandas específicas do mercado de cargas, que têm muito a ver com entregas mais rápidas e distâncias cada vez maiores.

Essas mudanças exigem aeronaves que possam fazer o trabalho com consumo eficiente de combustível e custos operacionais geralmente menores. Ao aumentar a capacidade de carga e reduzir os custos ao mesmo tempo, os E-Freighters da Embraer podem responder efetivamente a esses novos desafios na indústria de cargas.

Os E-190 e E-195 são aviões de passageiros antigos convertidos na instalação da fabricante em São José dos Campos. O processo de conversão incluiu a adição de uma porta de carga frontal no deck principal e um sistema de manuseio de carga. Além disso, os pisos foram reforçados e adaptados para o transporte de materiais perigosos.

Há outra razão por trás da conversão de jatos antigos em cargueiros, esta relacionada à sustentabilidade. Companhias aéreas em todo o mundo, grandes e pequenas, eventualmente terão que substituir suas frotas por opções mais “verdes”.

Aliás, isso já está acontecendo com aeronaves retrofitadas – isto é, que passaram por um processo de modernização, atualização ou reforma – e versões híbridas ou totalmente elétricas. Uma maneira de abrir espaço para essas alternativas verdes é encontrar novos usos para modelos antigos. É o que a Embraer fez.

Informação: Olhar Digital 

sexta-feira, 12 de abril de 2024

Objetivo é fortalecer o cenário sindical e impulsionar a indústria rumo ao futuro

SÃO LUÍS – Na quinta-feira, 11, a Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA) promoveu a 1ª edição do ano do Conecta Sindicatos, evento criado pela entidade para fortalecer o cenário sindical e impulsionar a indústria rumo ao futuro. O evento, sediado no SESI Casarão da Indústria, no centro de São Luís, reuniu líderes sindicais, a diretoria da FIEMA e diversas autoridades.

A abertura ficou a cargo do presidente da FIEMA, Edilson Baldez, que ressaltou a importância do evento para o fortalecimento dos sindicatos patronais e para o desenvolvimento industrial do estado. “O objetivo desses encontros é encontrar um novo caminho para o sindicalismo brasileiro, para que os sindicatos empresariais sejam mais atuantes e contribuam para a construção de uma indústria forte, competitiva, inovadora e geradora de emprego e renda”, declarou Baldez.

Destacou-se no evento a apresentação do projeto Inova Sindicato, que tem foco na otimização da gestão dos sindicatos patronais e no fortalecimento do associativismo. “Fechamos, no ano passado, uma parceria importantíssima com o Sebrae, com o projeto Inova Sindicato. Vamos poder buscar as soluções para os problemas dos sindicatos”, explicou César Miranda, superintendente da FIEMA. O projeto se destaca pelos eixos de atuação nas Cadeias Produtivas, Gestão Estratégica, Ecossistemas e Gestão Inovadora.

NO CHÃO DE FÁBRICA – Uma das experiências compartilhadas no Conecta Sindicatos foi a visita a micro e pequenas empresas de Imperatriz pelas presidentes dos sindicatos das indústrias de vestuário, Ana Rute Nunes, e de reparação automotiva, Leonor de Carvalho. “Precisamos estar mais próximos das indústrias. Os empresários se sentem muito felizes quando um sindicato ou uma instituição chega lá para saber o que elas estão precisando, saber o que estão querendo. Então, eu aconselho aos outros presidentes: façam isso, vão até as empresas e conheçam as dores desses negócios para propor soluções em conjunto”, contou Ana Rute, do Sindvest.

Leonor de Carvalho, presidente do Sindirepa, anunciou que os dois sindicatos estão encabeçando uma iniciativa para reunir mulheres da indústria. “Vamos trabalhar em ações para as mulheres do setor industrial de todo o Maranhão”.

No evento, também foi assinado um convênio entre a FIEMA e o Grupo Dom Bosco, que se estende aos sindicatos, às empresas apoiadoras do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF Maranhão) e ao Centro das Indústrias do Maranhão (CIEMA). “São condições especiais na graduação, nos cursos de pós-graduação, descontos no colégio Dom Bosco e, também, a oportunidade de utilização dos nossos ambientes para eventos, treinamentos, cursos livres”, afirmou o diretor de mercado do Grupo, Fábio Carvalho. A diretora-geral de Gestão da UNDB, Rebeca Murad, contou um pouco da história da empresa e sua experiência como vice-presidente do Sinepe-MA (Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino), com enfoque na inovação que tem levado o Grupo a resultados de excelência no mercado.

Os líderes sindicais ainda assistiram a uma exposição do Centro de Mediação e Conciliação Empresarial da FIEMA, conduzida por Fernanda Moreira e Romulo Fernandes; a apresentação do Projeto Brasil Mais Produtivo, do Governo Federal, executado pelo SENAI e SEBRAE, cuja plataforma já está aberta para inscrição das empresas; e a análise do setor industrial pelo coordenador do Observatório da Indústria do Maranhão, Carlos Jorge Taborda.

Cláudio Queiroz, empresário que integra o Sindicato das Indústrias de Carvão Vegetal do Estado do Maranhão (SICAM), com sede em Imperatriz, ressaltou a importância do encontro. “Estamos buscando sempre o fortalecimento, o aprimoramento da indústria, que é a marca que movimenta o nosso estado”.

O “Conecta Sindicatos” ainda reforçou o compromisso da FIEMA e de seus parceiros com a inovação, o desenvolvimento e o fortalecimento do cenário sindical e industrial do Maranhão, promovendo um ambiente propício para o surgimento de novas oportunidades e soluções para os desafios do setor.

Adênio Queiroga, recém-eleito presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas do Estado do Maranhã (Sindigraf), falou do relacionamento com a Federação e com os outros sindicatos do estado. “É nosso primeiro momento, assumimos recentemente o Sindigraf, e estamos com as melhores expectativas. Nosso objetivo é fazer a ponte das indústrias gráficas junto à FIEMA e as entidades que compõem o Sistema Indústria”, disse.

Todos os presidentes dos sindicatos patronais presentes ao Conecta receberam uma cópia do Manual do Sindicato Empresarial, uma publicação simplificada contendo orientações essenciais sobre os fundamentos legais, normativas, estatuto social e outras pautas para a administração eficiente dessas entidades ligadas à atividade industrial do Maranhão.

Além do presidente da FIEMA, e dos diretores, estiveram presentes o superintendente da Federação, César Miranda, o superintendente regional do SESI-MA, Diogo Lima, e a coordenadora regional do IEL-MA, Michele Frota.

Informação: Fiema 

O Maranhão, que foi destaque no ciclo 2022/2023 do Desafio Liga Jovem, está com as atenções voltadas para a segunda edição da competição, que será lançada no estado nesta terça, 16 abril, das 8h30 às 12h, no Sebraelab (anexo do Multicenter Negócios e Eventos). 

Desafio Liga Jovem 2024 promete mobilizar estudantes e escolas maranhenses


O Desafio Liga Jovem é a maior competição de empreendedorismo tecnológico nas escolas do Brasil, realizada pelo Sebrae em parceria com o Instituto Ideias de Futuro. Além de apresentar as novidades deste ano, o lançamento terá a presença de profissionais da Educação, entre eles diretores e coordenadores de escolas e faculdades, bem como representantes de secretarias do Estado e de municípios. 

Na primeira edição do Desafio Liga Jovem, o Maranhão foi o estado com o maior número de inscrições no Brasil e contou com 12 equipes classificadas para as semifinais e duas finalistas – a equipe Zettas, formada por estudantes da escola estadual Anexo Porto Sibil, de Formosa da Serra Negra, distante cerca de 35km da sede do município; e a segunda finalista, a equipe Pantera Negra, do município de Zé Doca, escola da rede do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA). Este ano, o estado já ocupa o terceiro lugar em número de inscritos no país, antes mesmo do lançamento estadual. 

No ciclo 2022/2023, Maranhão bate recorde de inscrições, emplacando duas equipes na final da competição, realizada no Bossa Summit 2023, São Paulo.

Novidades da 2ª Edição do Desafio Liga Jovem 

Neste ano, o Desafio Liga Jovem quer estimular ainda mais jovens a criarem soluções inovadoras para problemas do seu entorno. São 4 categorias: Imagina (8º e 9º ano do Ensino Fundamental; Cria (Ensino Médio); Inspira (Educação Profissional) e Avança (Educação Superior). A ampliação da iniciativa permitirá compreender como os estudantes de todo o país percebem e lidam com as questões sociais de suas comunidades por meio do empreendedorismo tecnológico. Na primeira edição, os mais de 5 mil estudantes inscritos apresentaram um panorama dos temas mais impactantes em seu cotidiano. Educação, Meio Ambiente, Acesso a Serviços, Saúde Mental e Saúde em Geral são os 5 problemas sociais mais apontados nos projetos desenvolvidos em 2023. 

“Em sua segunda edição, o Desafio Liga Jovem se consolida como espaço e ação de fortalecimento da autonomia dos jovens, focando o desenvolvimento de competências para a vida e a geração de oportunidades. Ao fomentar a inovação e o empreendedorismo nas escolas, o Desafio deixa de ser uma competição entre estudantes, escolas e suas soluções inovadoras para problemas presentes em suas realidades, para se transformar em uma estratégia que tem um olhar no presente, agindo para o futuro”, reflete o diretor Técnico do Sebrae no Maranhão, Mauro Borralho. 

Mauro Borralho, diretor Técnico do Sebrae-MA 

Etapas da Competição - O Desafio Liga Jovem 2024 contará com cinco etapas: Esquenta nas Redes, Virada Empreendedora, Estadual, Regional e Nacional, que serão detalhadas durante o evento de lançamento. 

Inscrições - As inscrições são gratuitas e estão disponíveis, até 7 de junho, no site www.desafioligajovem.com.br. Nesse endereço eletrônico também pode ser acessado o regulamento da competição.

“A expressiva participação do Maranhão em 2023 deixou como legado a descoberta de inúmeros talentos com potencial para pensar em soluções com alto grau de inovação, que chamaram a atenção do mercado e de investidores. De fato, essa iniciativa traz horizontes, ao propiciar chance de os jovens atuarem como protagonistas de suas histórias, pensando em soluções para melhorar suas comunidades. Por isso, eu os convido a participar do Desafio, que é realmente algo transformador”, concluiu Mauro Borralho. 

Informação: Sebrae MA 

A Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP) recebeu, na última quarta-feira (10), a visita do Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Alex Sandro de Ávila. Ele teve a oportunidade de conhecer os terminais operados pela empresa e ouvir as demandas locais para que os serviços aquaviários sejam aprimorados. O presidente da EMAP, Gilberto Lins, destacou o funcionamento dos terminais da Ponta da Espera e Cujupe.

Lins enfatizou o compromisso da empresa em oferecer serviços de qualidade à população local, merecedora de um atendimento eficiente, lembrando que a operação da travessia é uma concessão sob responsabilidade das operadoras Henvil, Internacional Marítima e Serviporto. "Estamos demonstrando a eficiência na gestão dos terminais da Ponta da Espera e Cujupe. Nosso objetivo é melhorar continuamente os serviços, especialmente diante da renovação do convênio de delegação para o governo do Maranhão", afirmou o presidente. O secretário Alex Ávila também reforçou o compromisso do Ministério dos Portos em fortalecer e ampliar os serviços, mencionando a necessidade de a EMAP assumir a gestão da travessia dos ferryboats, por meio da regulamentação do convênio de delegação, cuja assinatura está prevista em breve pelo Ministério.

“À medida que avançarmos, veremos o reflexo desses esforços se transformarem em melhorias significativas nos terminais, proporcionando resultados ainda mais satisfatórios.”, pontuou Ávila. O secretário ainda fez uma inspeção detalhada nas instalações da área primária do Porto do Itaqui, além de ser apresentado ao projeto de expansão do Tegram, que abrange a ampliação do Terminal de Grãos do Maranhão.

Também foi discutida a construção do novo terminal de fertilizantes e a implantação do VTMIS que é o sistema de auxílio eletrônico à navegação, com capacidade para prover a monitoração ativa do tráfego aquaviário. O objetivo do sistema é ampliar a segurança da vida humana no mar, a segurança da navegação e a proteção ao meio ambiente nas áreas em que haja intensa movimentação de embarcações ou risco de acidente de grandes proporções.

Informação: Porto do Itaqui