Assembleia Legislativa

São João do Maranhão 2019

São João do Maranhão 2019

A Fundação da Memória Republicana Brasileira (FMRB) e a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) comemoraram o Dia Nacional do Livro Infantil (18 de abril) com brincadeiras, música e contação de histórias. As atividades aconteceram nos dias 12 e 17 deste mês, no Convento das Mercês, como forma de promover a leitura entre crianças de escolas públicas.

Quem animou a tarde do dia 12 foram os personagens do clássico brasileiro “O Sítio do Pica-Pau Amarelo”, de Monteiro Lobato.

Já no dia 17, as crianças conheceram pessoalmente os escritores maranhenses de histórias infantis, Cláudio Lima e Andréia Oliveira. Cláudio escreveu “Esplêndido, o Guará que não conseguia ficar vermelho” e Andréia, “João, o menino cantador” – este último uma biografia do compositor maranhense João do Vale para crianças. Além disso, o grupo artístico Fábrica de Artes apresentou ritmos locais, como os diferentes sotaques do bumba-meu-boi e o tambor de crioula.

“Promover o Livro Infantil com brincadeiras e arte é uma forma de aproximar as crianças do universo literário, especialmente aquelas cujas famílias não têm acesso facilitado à leitura. Essa atividade faz parte do nosso projeto Conhecer para Pertencer, que está tornando o Convento das Mercês um ambiente mais aberto e plural com atividades artísticas e educacionais”, explicou o presidente da FMRB e secretário de Educação, Felipe Camarão.

Para os escritores convidados, a linguagem dos livros infantis é imprescindível para a formação do gosto pelo conhecimento. “Uma história não se encerra nela mesma, e a única forma de fazer com que o conhecimento de cada obra permaneça vivo é assim, passando para outras pessoas”, afirmou o escritor e músico Cláudio Lima. “Quando fui contar a história de João do Vale pros meus filhos percebi que não podia ler a biografia que eu tinha escrito para adultos. Precisava encontrar outras palavras, sem tirar deles o direito à fantasia”, completou a escritora e jornalista Andréia Oliveira.


Participaram das comemorações do Dia Nacional do Livro Infantil crianças da comunidade do Desterro e adjacências que participam do projeto “Meninada Que Aprende” e da Unidade de Ensino Básico Luís Serra.







A abertura da exposição do pesquisador e fotógrafo Francisco Valberto será dia 24 de abril, na Galeria Antônio Almeida do Palacete Gentil Braga

Selecionada pelo Edital de Ocupação nº 009/2019 da Galeria Antônio Almeida, a exposição fotográfica “O Ritmo Encantado do Povo Akroá-Gamella”, a primeira mostra fotográfica do pesquisador vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Francisco Valberto, será inaugurada no dia 24 de abril, às 19h, no Palacete Gentil Braga (Rua Grande, 782 – Centro), em São Luís/MA. Aberta ao público, a exposição inédita é composta por 18 fotografias.

As fotos e pesquisa da exposição são de autoria do pesquisador Francisco Valberto dos Santos Neto. A curadoria foi realizada por Eduardo Cordeiro e a edição das imagens por Adson Carvalho.  No dia 7 de maio, às 15h, haverá a roda de conversa “Reencantamento do mundo e a resistência indígena”, com os participantes Francisco Valberto, Ramon Alcântara e representante do povo Akroá-Gamella. A roda de conversa destina-se a alunos do ensino médio e a comunidade em geral.

Resistência e costumes – Os Akroá-Gamella estão localizados na região da Baixada Maranhense. “Desde o século XVIII o território do povo Akroá-Gamella sofre invasões empreendidas pela marcha violenta e unilinear da colonização. As invasões se prolongaram e na segunda metade do século XX invasores criaram um inventário de terras fraudulento, a grilagem. Tal processo desencadeou uma onda de violência ao povo que viveu com seu território invadido, sob a posse de fazendeiros”, disse Francisco Valberto.

As imagens registram momentos de rituais do povo; a construção de artesanatos, com o uso do Guarimã, planta de onde é retirada uma fibra resistente para a confecção de Tapitis, por exemplo, instrumento em formato cilíndrico para secar mandioca ao fazer farinha; de caminhadas pelo território, local sagrado. Ou seja, um conjunto de imagens que expressam as práticas e costumes, entrelaçados com a resistência, do povo Akroá-Gamella.

Saiba mais – Em 2014 a resistência e luta pelo território foi atualizada e intensificou-se o processo de recuperação territorial, fator de suma importância para a manutenção da vida do povo, uma vez que permite o cultivo de seus alimentos e, sobretudo, a regeneração e permanência da mata. “Lançando-me no trabalho de campo no território do povo Akroá-Gamella busquei investigar como a subjetividade, ou seja, o modo pelo qual suas práticas produzem relações entre a natureza, o território e os encantados, compõem o território existencial do povo, sendo esses elementos entrelaçados entre si, uma vez que se trata ‘de um fio da mesma teia da vida'”, ressalta o pesquisador.

Graduado em Psicologia pela UFMA e mestrando do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da mesma instituição, o autor realiza pesquisa com o povo Akroá-Gamella desde janeiro de 2018, onde fez seu trabalho de conclusão de curso e permanece fazendo pesquisa a nível de mestrado sobre o processo de construção da subjetividade dos Akroá-Gamella. É membro do grupo de Pesquisa e Extensão EDUCARES, sob coordenação do Prof. Dr. Ramon Alcântara, onde se desenvolve estudos sobre Psicologia, Educação e diversidade.


Departamento de Assuntos Culturais
PROEXCE | UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
Eles vão atuar na prevenção e combate ao fogo em unidades de conservação do ICMBio, órgão do MMA. Contratos variam de 6 meses a dois anos. Veja como participar do processo seletivo


Brasília – Como parte da preparação para a temporada de incêndios florestais, que geralmente começa no meio do ano, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), autarquia vinculada ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), acaba de lançar 98 editais para a contratação de brigadistas.

Ao todo, serão contratados 1.169 brigadistas por períodos que variam de 6 meses a dois anos. As vagas são para 88 unidades de conservação (UCs) distribuídas por diversos estados da federação. Clique aqui para ter acesso aos editais de seleção.

No total, o ICMBio vai destinar R$ 18 milhões para as contratações, fora o que já foi investido na aquisição de equipamentos de proteção individual (bombas costais, motobombas, mangueiras e turbossopros) de combate a incêndios florestais.

A seleção será feita em duas etapas: a primeira consistirá numa avaliação física e habilidades do candidato com o uso de ferramentas agrícolas e terá caráter eliminatório; na segunda, será ministrado um curso de 40 horas para os pretendentes às vagas de chefe de esquadrão e de brigadistas e determinará a classificação final dos participantes.

O teste de aptidão física (TAF) prevê caminhada com a bomba costal e tem o objetivo de avaliar a resistência muscular, aeróbica e capacidade cardiorrespiratória do participante. O candidato deve percorrer distância de 2,4 km com a bomba costal cheia d’água, pesando cerca de 20 quilos em, no máximo, 30 minutos. Quem não cumprir esse tempo será desclassificado automaticamente.

Já o teste de uso de ferramentas (THUFA) avalia o uso da enxada, para capinar e rastelar uma área de 3x5 metros em, no máximo, 20 minutos, sendo avaliados a qualidade da capina e a obediência aos critérios de lançamento do material.

NOVA LEI

A contratação dos brigadistas será feita com base na Lei 13.668, de 28 de maio de 2018, que define novas regras para a aplicação de recursos da compensação ambiental. Entre outras coisas, a lei prevê o recrutamento de pessoal para emergências ambientais no ICMBio e Ibama. Além de ampliar a duração dos contratos, elai diversificou as atividades a serem exercidas. 

De acordo com a nova regra, podem ser contratadas pessoas para atividades de prevenção, controle e combate de incêndios; apoio em ações de conservação, manejo e pesquisa de espécies ameaçadas; apoio a projetos de preservação, uso sustentável, proteção e apoio operacional à gestão de unidades; apoio à identificação à demarcação e consolidação territorial; e apoio às ações de uso sustentável.

O tempo de duração dos contratos de brigadistas passa de 6 meses para 2 anos, prorrogável por mais um ano. Desse modo, com um período mais longo de trabalho, os brigadistas poderão desenvolver atividades de combate aos incêndios florestais por mais tempo e reforçar as medidas de prevenção nos períodos que antecedem a temporada de fogo.

No geral, a nova regra atualizou dispositivo da antiga Lei nº 7.957, de 1989, e fortaleceu a gestão das unidades de conservação federais, ao contribuir para a geração de emprego e renda e ao dar prioridade à contratação de pessoas da comunidade que vivem perto das UCs.

Leia matéria completa: MMA 

A indispensável garantia dos direitos humanos, com reconhecimento dos seus conhecimentos e valorização cultural, na busca de uma convivência pacífica, com dignidade, civilidade e respeito mútuos, livres dos oportunistas sociais, traficantes, religiosos e demais falsários aproveitadores da causa indígena, é um grande desafio para nossa Nação. Eu tenho Alma de Índio!

No Maranhão vivem inúmeras etnias entre estas, os awá-guajá, que são uma das últimas tribos nômades das Américas. 


Em sua reserva, no noroeste do Maranhão, eles mantêm a tradição de contato próximo com os animais, preservando o ambiente e vivendo em que vivem.

Uma ameaça é terrivelmente visível para os awás e para as outras etnias da região. Imagens de satélite mostram que os 820 mil hectares de terras indígenas demarcadas no Maranhão estão sendo devastadas sem dó, colocando em risco a sobrevivência, destes irmãos, que são os primeiros habitantes do Brasil.

Fotos ilustrativas/redes sociais/internet


O Maranhão deu o primeiro passo em busca de importante parceria com um dos mais influentes centros de pesquisas do mundo, a Universidade Católica de Leuven, na Bélgica. O responsável pelo início das tratativas foi o titular da Secretária de Estado Extraordinária da Região Tocantina, Luís Carlos Porto, mais conhecido como Pastor Porto.

A convite da instituição, Pastor Porto esteve nesta semana em Bruxelas, capital da Bélgica, onde conheceu as pesquisas desenvolvidas no Laboratório de Melhoramento de Culturas Tropicais da Universidade de Leuven, o maior do mundo em pesquisas com bananas, com um acervo que contempla cerca de 1400 variedades deste tipo de fruta.

Pastor Porto aproveitou a agenda para fazer rápida exposição da produção de bananas do município de Itinga do Maranhão, localizado na microrregião de Imperatriz. Segundo o Pastor Porto, a ideia inicial é “fazer uma ponte” com o Departamento de Agronomia da Universidade de Leuven, para o aperfeiçoamento genético das bananas produzidas em Itinga, visando maior qualidade da fruta e possível abertura de mercado para exportação do produto maranhense. 

As bananas produzidas em Itinga usam tecnologia desenvolvida pela unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) de Cruz das Almas (BA), especializada em Mandioca e Fruticultura. Atualmente a Embrapa de Cruz das Almas já mantém parceria com a Universidade de Leuven.

“Vamos tomar conhecimento do nível de qualidade da banana produzida em Itinga e fazer essa ponte com a Universidade de Leuven para que os produtores de Itinga possam também ter o seu produto estudado e geneticamente melhorado, e, quem sabe, abrir portas para a exportação do produto maranhense”, detalha o secretário.

Intercâmbio

Na Bélgica, Pastor Porto também tratou sobre a possibilidade de intercâmbio da Universidade de Leuven com a UemaSul em programas de pós-graduação na área de Agronomia. Fundada em 1424, a Universidade Católica de Leuven é a mais antiga do mundo e hoje conta 42 mil estudantes de todo o mundo, incluindo brasileiros.

Programa Maranhão Solidário

Durante a agenda em Bruxelas, o secretário Pastor Porto e sua equipe tiveram a oportunidade de conhecer de perto um programa de minicrédito em apoio a projetos de desenvolvimento comunitário ofertados pelo KBC Bank, em parceria com a fundação CERA. Na ocasião, Pastor Porto apresentou aos executivos belgas o programa Maranhão Solidário, ação que, dentre outras medidas, impulsiona os trabalhos de entidades sociais do estado.

“Eles têm um programa muito bom na área de treinamento, capacitação, gerenciamento, liderança e qualidade de produtos. Eles podem também ajudar algumas entidades nossas que trabalham auxiliando pessoas, para que eles tenham uma gestão melhor no trabalho voluntário que desenvolvem no Maranhão”, explica Pastor Porto.

De acordo com o secretário Pastor Porto, esse programa belga oferece em Bruxelas treinamento específico para entidades filantrópicas, como as que participam do programa Maranhão Solidário.


Café da manhã realizado nesta quinta (18), reuniu atendidos das unidades de acolhimento institucional, Abrigo Institucional para Pessoas em Situação de Rua e Casa de Acolhida Temporária; ação integra a Política de Assistência Social colocada em prática pela gestão do prefeito Edivaldo


O espírito da Páscoa invadiu a Casa de Acolhida Temporária (CAT) na manhã desta quinta-feira (18), durante o café especial ofertado para 34 acolhidos pela Prefeitura de São Luís por meio da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas). Estavam presentes os atendidos das unidades de acolhimento institucional, Abrigo Institucional para Pessoas em Situação de Rua e CAT. A celebração trouxe à tona as emoções e o sentimento de espiritualidade dos participantes. A ação integra a política da Assistência Social implantada pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior.

O secretário adjunto de Proteção Social da Semcas, Rodrigo Desterro, reforça que momentos como esse são ações rotineiras da secretaria, para oportunizar e promover a integração entre os acolhidos. "Mesmo que suas estadias sejam passageiras, é nosso papel contribuir para a superação da situação vivenciada e a possibilidade do resgate dos vínculos familiares. As pessoas precisam ser respeitadas e tratadas com dignidade na situação em que se encontram", destacou o secretário.

O evento envolveu os acolhidos por meio de depoimentos e reflexões sobre o significado da Páscoa, momento esse que possibilitou a integração e convivência entre os beneficiários. O café é um momento de resgate dos valores familiares e fortalecimento de vínculos, onde datas comemorativas como esta, sejam vivenciadas por todos sem nenhuma distinção.

Cássia Teixeira, 49 anos, está acolhida no CAT desde o dia 8 de abril de 2019, oriunda do município de Presidente Dutra. Veio em busca de consulta neurológica para o seu filho, uma vez que seu município não fornece a especialização. "Estive aqui em São Luís em fevereiro e fiquei na rodoviária, onde fui encaminhada para o Centro Pop do Centro e lá eles me enviaram para cá. Eu estou gostando muito, os acolhidos daqui tem tudo. Toda a equipe é muito atenciosa e dedicada, eu só tenho a agradecer. Volto para a minha cidade com excelentes referências desse lugar", agradece Cássia Teixeira.


ACOLHIMENTO

Entre acolhimento Institucional e Familiar estão disponibilizadas 370 vagas. A Secretaria possui 12 unidades de acolhimento institucional entre execução direta e indireta, sendo esta última em convênio com duas instituições para atendimento de crianças, adolescentes e adultos, são elas: Grupo Solidariedade é Vida e Servos da Divina Providência\Lar Calábria.

O Serviço de Acolhimento atende pessoas que se encontram afastadas dos seus familiares e tem como objetivo proporcionar acolhimento temporário, garantindo cuidados, alimentação, vestuário e acompanhamento psicossocial até que seja possível localizar a família, restabelecer os vínculos com os familiares ou até quando estiverem garantidas a autonomia e a proteção.

Pousada do Buriti

Yes

Duvel