Assembleia Legislativa

São João do Maranhão 2019

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Em reunião realizada na sede da OAB/MA, na tarde desta terça-feira, com quilombolas, quebradeiras de coco do Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), representantes da Defensoria Pública do Estado (DPE/MA), Comissão Pastoral da Terra (CPT/MA), a Seccional Maranhense anunciou, por meio do presidente Thiago Diaz, que entrará juntamente com a DPE/MA com ação civil pública para garantir o livre acesso ás áreas de domínio público,  de uso comum dos povos e comunidades tradicionais na região da Baixada Maranhense e que não podem ser cercadas e privatizadas. 

Thiago Diaz garantiu também que, a campanha deflagrada pela Subseção de Pinheiro (um dos municípios da Baixada Maranhense), “Lugar de animal é no cercado. Respeite os limites de velocidade” está direcionada a questão do trânsito nas áreas urbanas, próximos às rodovias. “Em nenhum momento é para legitimar um discurso de força de apropriação de terras,   públicas e principalmente de áreas indispensáveis à sobrevivência da coletividade, dos povos e comunidades tradicionais. Vamos estar atentos e vigilantes a maneira de comunicar essa campanha. 

Sobre a campanha “Lugar de animal é no cercado. Respeite os limites de velocidade” 

Em Pinheiro será realizada, no próximo dia 27 de junho organizada pela Subseção da OAB, um ato público de fixação de placas nos dez pontos de maior acidentes causados pelos  animais soltos, uma  audiência pública para sugerir alterações no código de conduta da cidade e uma reunião com os criadores para orientá-los sobre questões jurídicas. 

Para o Defensor Público, Jean Carlos Nunes Pereira, é uma campanha em defesa da vida pela cerca, sugerindo prender os animais, que neste caso refere-se somente ao búfalo. “Como se a cerca preservasse a vida e na prática o que subtrai a vida dos povos e comunidades tradicionais é exatamente a cerca”, afirmou. 

A questão das cercas elétricas na Baixada Maranhense é um problema antigo. Limitam o acesso livre ao território de uso comum de várias comunidades tradicionais, além trazerem risco de morte aos moradores, pois, muitas são energizadas. Para o MIQCB, as cercas são a ponta de um problema de grilagem de terra e invasões a áreas públicas de proteção ambiental. Processos tramitam na justiça para regularização do território como quilombola e o Estado tenta, mas não consegue concluir a Operação Baixada Livre. “É importante o envolvimento de instituições que representam a sociedade, como a OAB/MA, para que reforcem essa luta, já que o Estado até agora não tem apresentado capacidade suficiente para resolver um problema de sua competência”, enfatizou Ronilson Costa, presidente da CPT.  

Sobre a ação civil pública

A ação civil pública movida pela DPE/MA e OAB/MA terá como objeto obrigar o Estado e as pessoas que colocaram as cercas, muita delas energizadas, a indenizar os trabalhadores e trabalhadoras rurais e comunidades tradicionais pelos danos e prejuízos causados além de proceder com imediata retirada desses equipamentos e todos os elementos que impeçam o livre acesso a essas áreas de uso coletivo; campos e babaçuais principalmente. 

Durante a reunião, que contou com a representação de diversas comunidades quilombolas e de quebradeiras de coco babaçu da Baixada Maranhense foram relatadas as ameaças de morte sofridas pelos moradores. “O acesso antes era livre, agora estamos presos, os animais soltos e sem acesso ao nosso meio de vida”, desabafou uma quebradeira de coco babaçu, que por motivo de segurança não vamos identifica-la.


Alunos do Centro de Ensino Enéas Maia Filho, em Tasso Fragoso, região Sul do Maranhão, no domingo (16/06), conheceram alguns dos muitos sítios arqueológicos nas encostas de morros, grutas, cavernas e rochas, Chapada adentro, uma experiência única para um grupo de 24 alunos e 4 professores.


O passeio foi ciceroneado pelo Sr. Agnaldo Guimarães Filho, mais conhecido como Lirô, criador do Museu do Cerrado, que fez uma apresentação detalhada das gravuras e inscrições rupestres (termo que denomina as representações artísticas pré-históricas), o grupo conheceu todo o processo de identificação e datas aproximadas dos sítios, entre outras informações didáticas sobre a sociedade que habitou aquele espaço há milhares de anos.


Esta é a primeira turma de alunos que conhece o sítio arqueológico de Tasso Fragoso, sob a coordenação do diretor da escola, Professor Plácido Gomes, com auxílio das professoras, Conceição Landim, Cíntia e Nívea Maria, assim sendo possível aprender um pouco mais em uma aula magistral em ambiente, unindo teoria e prática, sendo a sala de aula o Cerrado Maranhense, em momentos que levarão por toda a vida.


O que mais se via e ouvia dos alunos era a perplexidade de tantas riquezas naturais e culturais que pensavam que só existia em livros, em outras regiões do Brasil ou até outros países, no entanto, puderam constatar que tudo isso também existe ao alcance de seus olhos e mãos, dentro do município de Tasso Fragoso.


Tasso Fragoso:

Reconhecido pelo seu potencial arqueológico e ambiental, o município de Tasso Fragoso, que faz parte do Polo Turístico da Chapada das Mesas, é o que podemos chamar de Patrimônio da Humanidade (mesmo não reconhecido oficialmente), devido seu relevante e grande potencial arqueológico encravado nas rochas e paredões, com suas cavernas esculpidos há milhares de anos, localidade que começa a ser descoberta e visitada, antes por acadêmicos e professores de arqueologia, e agora pela comunidade, que fica maravilhada pela maneira como a sociedade primitiva se comunicava e as provas são os incontáveis registros já encontrados em solo tassofragossense .

Informações e fotos: Agnaldo Guimarães / Lirô 
terça-feira, 25 de junho de 2019
Treze municípios em seis estados brasileiros receberam recursos para promover e fortalecer suas manifestações culturais


Com o intuito de consolidar as festas juninas como produto turístico brasileiro, o Ministério do Turismo vai investir, neste ano, R$ 4,2 milhões nos festejos do país. Ao todo, foram 14 convênios firmados com 13 municípios de seis estados brasileiros. As festas, além de marcarem a cultura do Brasil, são fortes indutores de geração de emprego e renda, principalmente nas comunidades locais. As maiores festas, como Campina Grande (PB) e Caruaru (PE,) chegam a movimentar mais de R$ 500 milhões na região com mais de 50 dias de programação. Além disso, mais de 3 mil empregos diretos e indiretos devem ser criados nesta época.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, destaca que os investimentos destinados pela Pasta irão apoiar os municípios em suas festas de pequeno porte, além do incremento social e econômico nestas regiões. “O forte envolvimento das populações locais nas festas juninas impulsiona o turismo regional. Estes eventos atraem visitantes de todo o Brasil e do mundo que desejam conhecer a diversidade cultural que o país tem a oferecer. É um produto turístico que tem a cara do Brasil e está em franco processo de estruturação e consolidação”, pontuou o ministro. 

Os recursos foram liberados por meio de emendas parlamentares. No Estado da Bahia, cinco festejos foram apoiados no valor de R$ 1,1 milhão. São eles: Arraiá do Monte Alegre, no município de Mairi; Arraiá do Banza: 29º São Pedro da Tradição, em Banzaê; 9º edição do Arraiá da Lapa, no município de Amélia Rodrigues; São João Arraiá do ITA 2019, em Itaberaba; e o 31º Arraiá do Água Fria, no município de Medeiros Neto. Ainda na região Nordeste, Sergipe teve três festas juninas apoiadas no total de R$ 1,4 milhão. Entre elas estão o Forró Caju, a Festa do Catete e o 11º Arrasta-Pé do 18 do Forte.

Em São Paulo, três manifestações tiveram recursos do MTur para este ano da ordem de R$ 633 mil nos municípios de Macedônia (29ª Festa Junina de Macedônia), Gavião Peixoto (9ª Festa Junina de Gavião Peixoto) e Itararé (50ª Festa de São Pedro). Em Sítio Novo, no Tocantins, a XIX Festa Junina Arraiá no Nosso Sítio teve R$ 469,2 mil repassados. Outros R$ 359,5 mil foram investidos no município de Marechal Floriano, no Espírito Santo e mais R$ 200 mil na promoção do 77º São João de Santa Luzia, na Paraíba.

OFERTA TURÍSTICA - O Calendário Nacional de Eventos do Ministério do Turismo já reúne 119 festejos juninos, registrados por secretarias estaduais e municipais de Turismo. As informações disponíveis são organizadas de forma colaborativa. O objetivo é divulgar os eventos turísticos brasileiros e agregar valor à imagem dos destinos, além de fornecer informações de qualidade sobre a oferta turística do Brasil que possam ser úteis ao turista no momento de planejar suas viagens. Além de festas juninas, o instrumento também informa sobre eventos artísticos, culturais, esportivos, folclóricos, gastronômicos e religiosos, entre outros segmentos. Para este ano, o Calendário já possui 2.957 eventos cadastrados.

Fonte: Mturismo 
Para o professor, é preciso preparar o acadêmico para atuar em frentes de trabalho situadas além da relação empregado/empregador


Já faz algum tempo que se ouve falar que ser empreendedor é a perspectiva do futuro. De alguns anos para cá, entretanto, essa nova forma de atuação no mercado de trabalho ganhou mais força e passa a ser encarada como uma alternativa necessária na formação acadêmica. O ex-reitor da Universidade Federal do Maranhão, Natalino Salgado, em sintonia com esse novo paradigma da educação, afirma ser imprescindível a existência de um programa de formação de cultura empreendedora para os discentes e servidores.

A ideia é promover maior aproximação entre as Universidades e o setor produtivo. Significa estimular novos sistemas de inovação e, dessa forma, incentivar e fortalecer a cultura empreendedora dentro da comunidade universitária, contribuindo para inserir a UFMA em um ambiente favorável de inovação e empreendedorismo. A meta é fazer com que o acadêmico não enxergue o ambiente de trabalho apenas sob a perspectiva de ser empregado.

Segundo Natalino, é preciso proporcionar ao universitário subsídios para que, quando ele saia da Universidade, se enxergue não apenas como um profissional apto a desenvolver suas funções. “Ele deve se entender como alguém preparado para criar oportunidades para si e para os outros”, destaca.

Natalino Salgado explica que a inserção de disciplinas optativas na grade curricular dos cursos de graduação seria uma excelente forma de colocar o empreendedorismo nos cursos. “Embora a gente entenda que há uma demanda e uma necessidade pela formação empreendedora, não se pode colocar as disciplinas como obrigatórias”, explica.

Os professores também serão incluídos no processo de educação empreendedora. “Mas o público principal é os acadêmico”, reforça Natalino Salgado.

Núcleo empreendedor

No campus do Bacanga já existe um prédio dedicado exclusivamente à formação de profissionais com visão empreendedora: o Centro de Empreendedorismo da UFMA (CEU).  Inaugurado em novembro de 2014, na gestão Natalino Salgado, conta com 38 salas distribuídas em dois pavimentos, que abrigam diversas Empresas Juniores e Empresas em processo de incubação. Foi concebido como um espaço de interação entre a academia e o setor produtivo, no sentido de estimular ações que proporcionem a geração de novos em preendimentos, de fomento à cultura empreendedora e da execução de projetos que liguem a academia ao mercado. Parte do segundo pavimento do Centro hoje abriga o ICmar, o que descaracteriza o projeto original do espaço.


Lençóis Maranhenses, um paraíso que atrai visitantes de todo o mundo. É nesse cenário que o Governo do Maranhão promove o Mais Cultura e Turismo, de 21 de junho a 20 de julho na Beira Rio em Barreirinhas. A ação acontecerá todas às sextas-feiras, sábados e domingos, de forma gratuita.

As atrações darão tanto continuidade aos festejos juninos como apresentarão bandas de diversos gêneros musicais, com o objetivo de promover o turismo pelo Maranhão e divulgar a nossa cultura.


A programação da primeira semana lotou a Beira Rio com shows da banda Z18 e Raiz Tribal, apresentação de bumba-meu-boi e dança portuguesa e centenas de crianças para a recreação no final da tarde de domingo.

O secretário de estado do turismo, Catulé Júnior, falou sobre a importância do Mais Cultura e Turismo. “Nos meses de junho e julho, que recebemos o maior fluxo de visitantes, o Governo do Estado investe em eventos como esse que promovem bandas e manifestações culturais do nosso estado. Turistas e moradores locais compareceram em grande número e, além da diversão, ainda ajudam a gerar renda, movimentando o comércio local”, pontuou o secretário.

Programação da 2ª semana

Ricardo Bondim e Trio Encaixotado vão se apresentar no palco do Mais Cultura e Turismo no dia 28 junho, às 20h, e logo depois a dupla sertaneja Stanley e Cristian promete animar ainda mais a noite da sexta-feira. Mistura de Ritmos se apresenta no sábado, às 20h, juntamente com o grupo Argumento, às 21h00. Domingo, a recreação infantil fica por conta dos personagens Galinha Pintadinha e Peppa Pig, a partir das 17h.

Fonte: MA.gov

As férias de julho estão chegando com clima de diversão e lazer para famílias e amigos. E para que você aproveite este momento da melhor forma possível, o Teatro Sesc preparou uma programação especial que garante emoção e entretenimento para pessoas de todas as idades. Na edição 2019, o espetáculo “Cordel na Fogueira”, da Santa Ignorância Cia de Artes, dá inicio a agenda cultural no dia 4 julho, às 19h. Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados na bilheteria do teatro com 30 minutos de antecedência.

Trazendo um conjunto de histórias e sotaques típicos do Maranhão, “Cordel na Fogueira” sobe ao palco do Sesc Napoleão Ewerton para apresentar a jornada da dupla Seu Menino (Lauande Aires) e D. Menina (Dênia Correia), para descobrir a origem da santa fogueira do São João. Muitas surpresas cruzarão os seus caminhos e os permitirão embarcar nas delícias de nossos sabores, histórias e sotaques, gerando uma grande aventura cênico-poético-musical.

No sábado, dia 06 de julho, o espetáculo “Carrossel Encantado” apresenta um repertório para toda a família, reunindo músicas e brincadeiras da cultura popular brasileira em uma performance que esbanja criatividade e animação. Composta pela cantora Adriana Boisapo, o músico Lin Júnior, o contrabaixista Netinho Bass, o baterista Ronald Nascimento e o tecladista Renato Serra, a banda maranhense de nome homônimo se apresenta às 16h.

A agenda de férias do Teatro Sesc também coloca em cartaz mais nove apresentações na programação que se estende até o dia 27 de junho: Um Rapaz Apressado (Cia Direto da Fonte), Ensaio Sobre a Memória (Pequena Cia de Teatro), Os Três Porquinhos e o Lobo Infeliz (CIA Cambalhotas), Barrica poráguabaixo (Palhaça Barrica), Show Musical – Com Afetos e Canções (Joaozinho Ribeiro), Popotitodó (TeatroDança), Frida – Fragmentos (Ateliê Cia de Dança) e Palavra Acesa (Projeto Palavra Acesa).

Programação de Férias do Teatro Sesc

Dia 04/07/2019 – Quinta-feira
Espetáculo: Cordel na Fogueira/ Santa Ignorância Cia de Artes
Local: Teatro Sesc
Horário: 19h








Dia 06/07/2019 – Sábado
Espetáculo: Show Musical Carrossel Encantado/ Banda Infantil Carrossel Encantado
Local: Teatro Sesc
Horário: 16h







Dia 11/07/2019 – Quinta-feira
Espetáculo: Um Rapaz Apressado/ Cia Direto da Fonte
Local: Teatro Sesc
Horário: 15h











Programação Completa: Sesc MA

Já pensou ter lado a lado e em um só lugar algumas das principais casas de cultura do Maranhão? Agora é possível. O Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secma), criou réplicas de 8 equipamentos culturais no arraial do Ipem. Turistas e ludovicenses podem tirar fotos no espaço e conhecer mais sobre cada uma das casas de cultura.

Teve gente que reservou um tempo na agenda só para prestigiar a Vila que tem sido sucesso nas redes sociais e na televisão nesta época de São João. “Eu vi a Vila Cultural no jornal, e realmente gostei bastante”, afirmou Estela Oliveira.

Quem visitar o espaço irá encontrar a reprodução da Casa do Tambor de Crioula, Palácio dos Leões, Museu do Reggae do Maranhão, Casa do Divino, Biblioteca Benedito Leite, Teatro Arthur Azevedo, Casa de Cultura Josué Montello e Forte de Santo Antônio.

Para Luluca, o espaço cumpre função importante na divulgação desses patrimônios. “Eu acho que faltava locais como esse em que os turistas ficam à vontade. E na verdade, muitos que ainda não conhecem esses espaços históricos quando vêm atrás das atrações juninas do Ipem acabam conhecendo prédios que são indicações para visitar a cidade, locais que ele possa conhecer e saber mais sobre a nossa história”, explicou o músico maranhense.

Também foi elaborado catálogo inédito, lançado para o São João, no qual estão presentes fotos e informações a respeito de 30 casas de cultura do estado. Além da divulgação de folclore que ocorre naturalmente durante as apresentações de Bumba Meu Boi, Cacuriá, Tambor de Crioula, o período junino tem sido aproveitado para divulgação dos muitos equipamentos culturais, de grande valor histórico.

Para ter a experiência só mesmo indo ao Arraial do Ipem e conhecendo a Vila que caiu nas graças do público. Mas aí vai um pequeno “spoiler” sobre cada um dos museus e Casas de Cultura do Estado.

Palácio dos Leões – É a sede do Poder Executivo Estadual, residência do governante em exercício e possui uma ala de visitação pública. Apresenta ao público os salões nobres com exposições permanentes de obras datadas do século XV ao XX. Mobiliário, telas, porcelanas, esculturas, pratarias e gravuras são algumas das peças encontradas durante a visitação mediada. O casarão fica localizado na Avenida D. Pedro II, no Centro de São Luís.

Casa do Tambor de Crioula – É um Centro de Referência da manifestação da cultura popular maranhense Tambor de Crioula. A casa é um espaço para fortalecimento do processo de salvaguarda da manifestação. Tem caráter museológico, antropológico e sociológico, bem como de um centro de pesquisa, memória e documentação da história dos afrodescendentes, além de ser um local de difusão da manifestação. Fica na Rua Portugal, 309, Praia Grande, Centro Histórico.

Museu do Reggae do Maranhão – Preserva, estuda e celebra a Cultura Reggae no nosso Estado. O ritmo, que nasceu na Jamaica, foi assimilado pela população maranhense e se transformou em mais um dos muitos elementos culturais que formam a maneira de ser do maranhense contemporâneo. Patrimônio Mundial da Humanidade, o reggae tem grande importância turística e cultural.

Casa do Divino – Localizada na cidade de Alcântara, ela abriga a casa do Império da Festa do Divino Espírito Santo e o Museu do Divino. Fora do período do festejo, a Casa expõe acervo com registros das festas anteriores, mostrando o ano inteiro a fé e a cultura do povo alcantarense. O espaço oferece visita mediada com informações sobre a história do casarão e da Festa do Divino, uma das manifestações religiosas mais tradicionais do estado e que atualmente recebe muitos turistas. Fica na Rua Grande, 88, Centro de Alcântara.

Biblioteca Pública Benedito Leite – É a segunda biblioteca mais antiga do país. Possui acervo de mais de 140 mil exemplares, formado principalmente por obras raras, manuscritos e a mais completa coleção de jornais maranhenses, desde o Conciliador (1821) até os que circulam hoje. Está localizada na Praça do Panteon, Complexo Deodoro, Centro de São Luís.

Teatro Authur Azevedo – Segundo teatro mais antigo do Brasil, foi construído por comerciantes portugueses no auge do ciclo do algodão e inaugurado no início do século XIX. Seu nome é uma homenagem ao escritor maranhense Arthur Azevedo, importante dramaturgo brasileiro. Possui 756 lugares e mantém programação anual variada com pautas locais e nacionais, contemplando público de todas as idades. Fica na Rua do Sol, 132, Centro de São Luís.

Casa de Cultura Josué Montello – Destina-se a promover estudos, pesquisas e trabalhos nas áreas de literatura, artes, ciências sociais, história, geografia, contribuindo para a preservação da memória e da produção artística e cultural do estado. Possui biblioteca especializada em literatura, Museu e arquivo pessoal do escritor Josué Montello, sendo 90% de todo o acervo doado pelo próprio escritor ao governo do Maranhão. Está localizado na Rua das Hortas, 327, Centro de São Luís.

Forte de Santo Antônio – Marco histórico do período de resistência portuguesa às invasões estrangeiras, o Forte de Santo Antônio da Barra foi totalmente revitalizado pelo Governo do Maranhão, em parceria com a Prefeitura de São Luís e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Localizado próximo ao Espigão da Ponta D’areia, em São Luís, o centro cultural conta com o Museu de Embarcações tradicionais maranhenses, um memorial sobre a história do Forte e o Museu da Imagem e Som.

Fonte: MA.gov 

Pousada do Buriti

Yes

Duvel