Assembleia Legislativa

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

A mudança climática está acontecendo – o mundo já está 1,1°C mais quente do que estava no início da revolução industrial e isso gera um impacto significativo no planeta e na vida das pessoas.

E se as tendências atuais persistirem, pode-se esperar que as temperaturas globais subam de 3,4 a 3,9°C neste século, o que traria numerosos e destrutivos impactos climáticos.

Esse é o sinal de alerta feito pela comunidade internacional antes da Conferência da ONU sobre o Clima (COP25), que começou na última segunda-feira (2) na capital espanhola, Madri, e ocorre até 13 de dezembro.

Dois meses depois que o secretário-geral convocou uma Cúpula de Ação Climática na sede da ONU em Nova Iorque, o que se pode esperar da COP25?

1- Acabamos de realizar a Cúpula de Ação Climática em Nova Iorque. Qual a diferença para a COP25?


A Cúpula de Ação Climática, realizada em setembro, foi uma iniciativa do secretário-geral das Nações Unidas para concentrar a atenção da comunidade internacional na emergência climática e acelerar as ações para reverter as mudanças no clima.

A 25ª Conferência da ONU sobre o Clima – COP25 (sediada em Madri após a desistência do Chile devido à instabilidade social no país), é a atual Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês) encarregada de garantir que a Convenção e o Acordo de Paris de 2015 que a fortalece estejam sendo implementados.

2- Mas por que tanta atenção da ONU sobre o clima? 


Existem mais evidências acerca dos abalos provocados pelas mudanças climáticas, especialmente em episódios extremos, e esses impactos estão nos cobrando um alto preço. A ciência mostra que as emissões ainda estão subindo, não diminuindo.

De acordo com o Boletim de Gases de Efeito Estufa da OMM de 2019, os níveis desses gases na atmosfera atingiram mais um novo recorde.

Essa tendência contínua significa que, a longo prazo, as gerações futuras serão confrontadas com impactos cada vez mais severos das mudanças climáticas, incluindo temperaturas crescentes, condições climáticas extremas, escassez de água, aumento do nível do mar e perturbações nos ecossistemas marinhos e terrestres.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) alertou em seu Relatório Lacuna de Emissões 2019, que são necessárias reduções de 7,5% nas emissões de gases de efeito estufa por ano, no período de 2020 a 2030, a fim de cumprir a meta acordada internacionalmente de um aumento de apenas 1,5°C na temperatura global em relação ao período pré-industrial.

Os cientistas concordam que é uma tarefa difícil e que a janela de oportunidade está diminuindo.

3- Então, o que a Cúpula de Ação Climática de setembro alcançou? 



A cúpula serviu de impulso para os prazos cruciais de 2020 estabelecidos pelo Acordo de Paris, concentrando a atenção global na emergência climática e na necessidade urgente de aumentar significativamente as ações. E líderes de vários países e setores aceleraram o ritmo.

Mais de setenta países se comprometeram a emitir zero emissões de carbono até 2050, mesmo que os principais emissores ainda não o tenham feito. Cerca de 100 cidades fizeram o mesmo, incluindo várias das maiores do mundo.

Os pequenos Estados insulares (países compostos por uma ilha ou um grupo de ilhas) comprometeram-se a alcançar a neutralidade do carbono e a passar para 100% de energia renovável até 2030. E países, do Paquistão à Guatemala, Colômbia à Nigéria, Nova Zelândia a Barbados, prometeram plantar mais de 11 bilhões de árvores.

Além disso, mais de 100 líderes do setor privado se comprometeram a acelerar a economia verde.

Um grupo dos maiores proprietários de ativos do mundo, com controle de dois trilhões de dólares, prometeu mudar para portfólios de investimentos neutros em carbono até 2050.

Tudo isso junta-se a uma recente chamada realizada por líderes globais aos gestores de ativos que representam quase metade do capital investido no mundo – cerca de 34 trilhões de dólares – a colocar um preço significativo no carbono e eliminar gradualmente os combustíveis fósseis e a energia térmica pela queima de carvão em todo o mundo.

Informação: Nações Unidas 
Levantamento realizado pelo Ministério do Turismo também apontou alta em serviços ofertados e faturamento


Uma pesquisa realizada em outubro de 2019 pelo Ministério do Turismo com empresas do setor de hospedagem apontou otimismo para os próximos seis meses no setor de acomodações de todo o Brasil. Segundo o boletim, 57,5% dos empresários confirmaram a pretensão de manter o número de funcionários e 25,7% esperam abrir novas vagas de trabalho. Na mesma prospecção, 46,4% preveem aumento no faturamento da empresa e 43,6% dos entrevistados projetam crescimento na demanda pelos serviços ofertados.

Os percentuais, de um modo geral, significam mais empregos, mais faturamento e estabilidade nos estabelecimentos de hospedagem do Brasil até marco de 2020. A perspectiva é positiva também quanto ao investimento para os próximos seis meses: quase metade do mercado de hospedagem brasileiro (49,9%) pretende aplicar recursos em seus empreendimentos. Outro número positivo mostra que 16,1% dos empresários responderam que “definitivamente” vão aumentar o investimento em seus estabelecimentos. No total, incluindo aqueles que “provavelmente” vão investir (49,9%), 66% do setor de hospedagem se mostrou favorável a novos aportes em 2020.

DESEMPENHO – O estudo do Ministério do Turismo também apontou números positivos em relação a empregabilidade, demanda por serviços ofertados e faturamento da empresa quando comparados ao mesmo período de 2018. No 3º trimestre deste ano, quase 60% dos empreendedores do setor informaram que houve estabilidade no número de funcionários no setor de hospedagem. Quanto à demanda de serviços ofertados, 36,4% afirmaram que houve estabilidade e 35,8% apontaram aumento no 3º trimestre de 2019. Dos 727 empreendedores do setor de hospedagem que participaram da pesquisa, 34% identificaram aumento no faturamento da empresa.

PESQUISA – A Sondagem Empresarial do Setor Hoteleiro no Brasil é realizada pela Subsecretaria de Inovação e Gestão de Conhecimento do Ministério do Turismo. São consultados empreendimentos de hospedagem de todos os portes, dentre os quais hotéis, pousadas, resorts e acampamentos turísticos. O objetivo é apurar as perspectivas dos empresários quanto ao desempenho de seus estabelecimentos e dos destinos onde estão inseridos. Acesse a pesquisa na íntegra AQUI.


A primeira edição do Prêmio Nacional do Turismo 2019, que aconteceu na noite de ontem (04/12), na cidade de Belo Horizonte/MG, consagrau também um outro maranhense, o Professor Saulo Ribeiro, da Universidade Federal do Maranhão - UFMA, que chegou as finais do referido certame, não obteve o consagrado prêmio, mas foi um grande vencedor.

Saulo Ribeiro, foi inscrito na categoria "Acadêmica", com centenas de outros concorrentes de todo Brasil, ficando entre os cinco melhores, uma conquista sem tamanho para este jovem Professor.

Ao final da premiação, Saulo externou na Rede Social, sua alegria e satisfação pelo votos recebido, neste que já é considerado o Oscar do Turismo Brasileiro.

"Agradeço imensamente a todos(as) que votaram em mim como finalista ao Prêmio Nacional do Turismo 2019. 

Infelizmente não foi desta vez, mas ter chegado a final já foi uma grande vitória/conquista profissionalmente. 

Poder estar entre os 5 melhores pesquisadores/professores do ano é mais que um reconhecimento, é a valorização de um trabalho ético, honesto, sincero e dedicado ao Turismo. 

A certeza agora é de continuar cada vez mais seguindo meus propósitos enquanto professor, levando, construindo e compartilhando conhecimento com todos.

Sou imensamente GRATO aos meus pais, familiares, alunos, amigos e (des)conhecidos que tiraram um pouco do seu tempo pra votar e fazer campanha. 

Foi lindo vê o apoio, o incentivo, e o carinho de muitas pessoas. Não há palavras pra agradecer o que vocês fizeram. Só agradecer e muitoooooooooooo. Pois pra quem tem somente 20 anos de trabalho na docêcia é uma vitória poder chegar a final e mostrar pro Brasil que no Maranhão se faz excelentes trabalhos em prol do Turismo. 

A luta continua e há muito trabalho pela frente no nosso Maranhão. 

Avante e Sempre".

Ação é uma iniciativa do Programa de Desenvolvimento Associativo da Federação e CNI


São Luís – Com a proposta de aproximar indústrias e contadores, aconteceu na noite da última quarta, 4 de dezembro, o Encontro com Contadores, promovido pela Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (FIEMA) por meio do Programa de Desenvolvimento Associativo (PDA), gerenciado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), que estimula a capacitação no setor industrial, resultando em empresas e profissionais mais eficientes e estruturados para desenvolver suas atividades e visa fortalecer a representação sindical e a disseminação de informações e debate de temas estratégicos para empresas industriais.

O tema debatido foi o “Bloco K – Registro e Controle da Produção e Estoques”, ministrado pelo especialista em Controladoria pela Fundação Alvares Penteado (FECAP) e consultor da CNI, Niveson Garcia.

A ação recebeu contadores e empresários de São Luís para detalhar o Bloco K, dentro do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), por meio do chamado Bloco K do Sped Fiscal. O Bloco K nada mais é que a substituição da emissão do Livro Registro de Controle da Produção e do Estoque da forma manual para a digital. A mudança proporcionará ao fisco um profundo controle da produção e do estoque das indústrias.

Durante sua explanação, o palestrante e consultor da CNI, Niveson Garcia, lembrou que essa é uma obrigação fiscal das indústrias de acordo com o código de atividade. “Esse registro está previsto no sistema público de escrituração digital, é antigo, portanto, não é nenhuma novidade, mas podia ser feito manualmente ou de uma maneira menos organizada do que o Bloco K prevê agora. A mudança afeta indústrias, empresas equiparadas as indústrias e o comércio atacadista. No cronograma que começou em 2017 e vai até 2022, funciona conforme o código de atividade, com as empresas entrando na obrigatoriedade de entrega eletronicamente”.

Ele detalhou ainda que o Bloco K tem como principal função registrar cada uma das ordens de produção dentro das indústrias. “Então, toda vez que a fábrica retira material do estoque e manda ao processo produtivo, tem que registrar e, também, a cada encerramento de produção, o produto que é obtido também tem que ser registrado, ele não trata de valores, só trata de quantidades e é feito de maneira eletrônica, portanto, precisarão de software. O Bloco K é uma obrigação que vai atingir todas as indústrias com um controle a mais de natureza fiscal”, avaliou Niveson Garcia. Ele orientou os participantes para o controle da produção e do estoque até o cruzamento de dados ao alcance do Fisco.


“A FIEMA tem como compromisso defender os interesses da indústria local, promover o processo de desenvolvimento e contribuir para o aperfeiçoamento empresarial, além de estimular o associativismo. E foi com o objetivo de cumprir esse papel que a FIEMA e a CNI realizaram esse encontro no intuito de orientar sobre as exigências da legislação”, afirmou ocoordenador do Programa de Desenvolvimento Associativo (PDA) da FIEMA, José Aboud.

Para o contador Thiago Ferreira, que possui um escritório de contabilidade e já atua no mercado há mais de 10 anos, o encontro foi muito esclarecedor. “Eventos como esse são excelentes porque mesmo acompanhando a legislação as dúvidas aparecem e, nada melhor, do que ter um profissional experiente de mercado para trocar informações.A FIEMA por meio dessas iniciativas sempre contempla empresários e as demais classes, e isso é muito importante, pois além de agregarmos conhecimento sem precisarmos nos deslocar da cidade, ainda traz um consultor com alta performance que abordou um conteúdo de forma esclarecedora e sucinta nos preparando para esse momento que se faz necessário no ambiente empresarial”.

A sócia-administradora da PSIU, Camila Rocha destacou ainda que “o evento foi um momento muito bom para se obter uma opinião de um especialista da área. Um encontro excelente!”, destacou a empresária.

Foram abordados também no Encontro, o controle de estoque como instrumento de gestão e competitividade, assim como o que as empresas deverão informar no Bloco K e que tipos de controle de estoques passarão a apresentar ao Fisco, além dos impactos na fiscalização e providências a serem tomadas.

Informação: Fiema 

A maranhense  Maria Assunção Moraes lança no próximo 19 de dezembro, das 18:00 às 21:00 horas, no Buriteco Café, na rua Portugal, o podcast ‘Coração na Mão’, com poesias de sua autoria, narradas por ela.

O conteúdo já está no Spotify, Anchor e RadioPublic, e em breve, em todas as plataformas digitais de áudio: “Esta é uma experiência nova que cabe na rotina de todos. As poesias são contemporâneas, falam do amor e da vida nos tempos atuais e a quem diga que são feministas, mas não foi de propósito”, declara a autora.

O sarau de lançamento, terá poesia, voz e violão com MPB na voz de Maria, acompanhada pelo músico Maikon Silva. Evento aberto ao público. 


O quê: Sarau de lançamento do podcast ‘Coração na Mão’, de Maria Assunção Moraes
Quando: 19 de dezembro de 2019
Hora: 18:00 às 21:00
Onde: Buriteco Café - Rua Portugal - Centro Histórico


‘Apesar de’
Não ama-se por isso ou por aquilo...
Ama-se apesar de...
Não ama-se pelas virtudes;
Ama-se por não merecer.
Não ama-se por ideologia;
Ama-se por não caber em si.
Não ama-se por combinações perfeitas;
Ama-se por nada a ver,
E mesmo assim, ama-se!
Não ama-se pelo tempo que se demora;
Ama-se pelo tempo inesquecível.
Não ama-se por direitos adquiridos;
Ama-se por tudo perder.
Não ama-se pelo que retém;
Ama-se porque transborda.
Não ama-se por estar junto;
Ama-se por estar no outro.
Ama-se e não se explica!
Ama-se e não complica!
Não ama-se pelas razões,
Mas pela ausência delas.
Maria Assunção Moraes




Acontece agora nas dependências do Rio Poty Hotel, a ABIH Business, que tem como objetivo proporcionar oportunidades de negócios para empresas fornecedoras de produtos da rede hoteleira e meios de hospedagens.

Evento promovido pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Maranhão (ABIH-MA) terá palestras, oficina e rodada de negócios, voltado para os empresários e hoteleiros de todo Maranhão.


O evento ABIH Business, é um espaço para troca de informações e geração de novos negócios e, um marco para hotelaria maranhense e parceiros tem participação expressivo do empresariado que tem apoio institucional das secretarias de estado de turismo/MA e da secretaria municipal de turismo de São Luís e, da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão - Fiema, Sindicato Empresarial de Hospedagem e Alimentação do Maranhão - Sehama, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae/MA entre outros.



Profissionais de turismo do Maranhão foram finalistas em duas categorias, sendo vencedor em uma. 


A noite de ontem (04/12), foi de festa para profissionais e gestores de turismo de todo Brasil. Aconteceu na cidade de Belo Horizonte - MG a premiação dos melhores do turismo brasileiro, com reconhecimento e premiação de vários segmentos e categorias. O Maranhão concorreu em duas categorias;

1° -"Acadêmica", com o Prof°  Saulo Ribeiro da Universidade Federal do Maranhão - UFMA;

2ª - "Empreendedores de Médio e Grande Porte", a Empresária, Joana Paula Coelho, foi a grande vencedora com 63% dos votos concedidos a esta categoria.

O Prêmio Nacional do Turismo, já é considerado o Oscar do Turismo Brasileiro, e tem como objetivo divulgar as belezas e os atrativos turísticos naturais nas mais diversas regiões do Brasil em campanhas Nacionais e Internacionais da Pasta.

Parabéns aos finalistas, em especial a todos que fazem Complexo Poço Azul na Cidade de Riachão/Ma por tão merecido reconhecimento.

Abih

Abih

Fiema

Pousada do Buriti

Yes

Duvel