Assembleia Legislativa do Maranhão

quinta-feira, 22 de novembro de 2018
Palestras, lançamentos, atividades lúdicas e muitas outras atrações têm movimentado a FeliS, que ocorre no Multicenter Sebrae e encerra no dia 25 de novembro; evento faz parte das ações de incentivo à leitura colocadas em prática pela gestão do prefeito Edivaldo


Com programação direcionada para diversos públicos, a 12ª Feira do Livro de São Luís - promovida pela Prefeitura,sendo a sexta realizada pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior - permite que o público escolha atividades mais voltadas para seu perfil, como o Espaço Juventude com ações diárias focada nos jovens e o Espaço Mulher com discussões e oficinas tendo a mulher como protagonista. A programação se estende até este domingo (25), no Multicenter Sebrae, sendo toda gratuita e aberta das 10h às 22h.

Nesta quinta-feira (22), os visitantes podem conferir no Espaço Juventude a exposição de artesanato produzidos pelos adolescentes da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac). Às 10h, tem 'Dança: apresentação de um musical' e 'Música: apresentação de um bloco de músicas maranhenses', com a participação da escola João Francisco Lisboa. Em seguida terá a palestra 'Intersetorialidade na socioeducação', com Lúcia Diniz, da equipe técnica da Funac.

No mesmo espaço, às 12h, será exibido o Cine Jovem - Instituto de Cidadania Empresarial do Maranhão (ICE-MA). Às 14h, tem contação de história e oficina de leitura com o Instituto Santa Luzia. Depois terá o espetáculo 'Essa é a nossa politica', com o Grupo Anônimos do Instituto Federal (IFMA) Campus São Luís/Maracanã. A programação continua com o 'Projeto DeBoas - arte, cultura e educação popular' e as rodas de conversas 'A medida de internação e as práticas restaurativas', com Lígia Santos e técnicos da socioeducação Irene Rolim, Alexandrina Abreu e Rosilda de Brito e 'A juventude e o Afroempreendedorismo'.

O Espaço da Juventude tem como objetivo articular organizações que trabalham com a juventude, por meio de uma ação autogestionada para estudantes e jovens. A programação conta com as atividades Diálogo Jovem, Cine Jovem, Projeto Literatura Mútua, Clube do Livro, Projeto Literatura Marginal, shows e apresentações culturais.

"O Espaço da Juventude existe desde a primeira Feira do Livro de São Luís. Aqui estimulamos o protagonismo juvenil e fomentamos a literatura infantojuvenil, porque a criança que está na Feira vai ser adolescente, vai ser jovem. Estamos também promovendo a campanha Juventude Leitora Engajada, com a coleta e doação de livros literários, que são sorteados nos espaços em que atuamos", explica a integrante da coordenação do Espaço da Juventude, Dayana Roberta.


No Espaço Mulher, às 10h tem a roda de conversa 'Relacionamento Abusivo/ Violência contra a mulher'. Às 14h30 terá 'Escuta Pública para Elaboração do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca'. Em seguida serão realizadas as rodas de conversa 'Mulher, Literatura e Resistência: As filhas da Semana de Arte Moderna' e 'Relações Sociais de Gênero'.

Ainda com atividades voltada para públicos específicos, o Espaço Sebrae tem uma extensa programação de ações voltadas para o empreendedorismo, com ênfase em ações voltadas para economia criativa e apresentação do Programa Nacional de Educação Empreendedora (PNEE). A programação inclui uma oficina; cinco rodas de conversa; quizz empresarial, um jogo de perguntas e respostas voltado para o empreendedorismo; e do Memorial Sebrae, além do atendimento empresarial.

Para quem procura programação com temática de cultura popular, tem o Auditório Punga dos Saberes. O tradicional Café Literário recebe poetas, escritores, acadêmicos e intelectuais, com cafezinho sendo servido durante todas as atividades. Já a Casa do Escritor é onde são lançados cerca de seis livros por dia de autores maranhenses. A Casa do Professor tem atividades voltadas para formação do educador. Para o público infantil tem o Espaço Criança Semed (Educação Infantil e Ensino Fundamental), Espaço Sesc de Leituras e Carro BiblioSesc, além de atividades no Palco FeliS e Cine FeliS. Para quem se interessa por artesanato, tem uma área de exposições e quem busca se aperfeiçoar em alguma modalidade, são oferecidas uma série de oficinas para todos os tipos de público.

SEMINÁRIO


Foi aberto nesta terça-feira (20) o X Seminário de Políticas Públicas de Bibliotecas, Leitura e Informação, que acontece até o dia 22 no Auditório Graça Aranha. A abertura contou com a participação do secretário municipal de Cultura, Marlon Botão, da coordenadora da 12ª FeliS, Rita Oliveira, da coordenadora do Seminário, Leoneide Martins, da Diretora do Centro de Ciências Sociais (CCSo), Lindava Maia Maciel - representando a reitora da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Nair Portela, da coordenadora do curso de Biblioteconomia da UFMA, Aldinar Martins Bittencourt, da chefe de departamento de biblioteconomia da UFMA, Dirlene Santos, da professora Maria da Glória Alencar - Tutora do Programa de Educação Tutorial e Willian Aquino - representante de biblioteconomia.

"Temos a felicidade de contar com momentos como esse que nos estimulam a continuar trabalhando em prol das políticas públicas para a formação de cidadãos conscientes. A gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior sabe da importância do livro na vida de uma criança", ressaltou o secretário de Cultura, Marlon Botão.

A conferência de abertura teve o tema 'Biblioteca, Leitura e Literatura como Direitos Humanos', com o palestrante Prof. Dr. Luiz Percival Leme Britto e coordenação da Profª. Drª Leoneide Maria Brito Martins. A tarde, no Espaço Oficinas Literárias, aconteceu o Minicurso 1 - As Mulheres e o Silêncio das Fontes Históricas', com Gabriela Alencar e Profª Dra. Glória Alencar (UFMA) e no Auditório Casa do Professor teve a 'Oficina 1 - As histórias e a leitura na escola, na biblioteca e na vida da gente', com a Profª Ms. e Escritora Lúcia Fidalgo (RJ). O Seminário também conta com exposição de projetos culturais, de pesquisa e de extensão nas áreas de leitura e de formação de leitores, na Área externa do Auditório Graça Aranha.



BATE-PAPO

O público lotou o Auditório Graça Aranha para uma conversa com a escritora Proª. Drª Mary Del Priore (RJ), mediada pela jornalista Bruna Castelo Branco, com o tema 'História da gente Brasileira', mesmo título da coletânea de livros da convidada nacional, que terá o quarto volume lançado em fevereiro de 2019. As obras fazem um resgate do povo brasileiro até a contemporaneidade. A escritora, historiadora, professora e especialista em História do Brasil, tem mais de 40 livros publicados (como autora ou organizadora), sempre com temas bem chamativos e sua grande produção literária foi acompanhada também por muitos prêmios. Ela destacou temas como educação, esporte e a construção da identidade brasileira.

"A tentativa do historiador é sempre entender quem nós somos e como é que esse ser se constrói ao longo do tempo, com influência no trabalho, a partir das suas relações afetivas e através do consumo. A história do povo brasileiro ela é tão mais interessante quando a gente se debruça sobre aquelas pessoas que nós não vemos nas grandes páginas dos livros de história, dos jornais, aquelas pessoas que fazem realmente o cotidiano. A tentativa é aproximar o leitor das pequenas coisas da vida dele, a ponto dele se identificar e se reconhecer nos personagens. São pequenas histórias que podem contar a grande história e foi sobre isso que eu me debrucei", destacou Mary Del Priore, Doutora em História Social na Universidade de São Paulo e pós-doutorado na Ecole des Hautes Etitudes En Sciencies Sociales de Paris.

Outra programação com sucesso de público foi o bate-papo no Café Literário 'Dia 20 consciência negra e igualdade racial', com a escritora convidada Lourdes Siqueira e as debatedoras Francilene Cardoso (professora, bibliotecária, doutora em Serviço Social (UFRJ), coordenadora do grupo de estudos sobre feminismo negro Marielle Franco) e Aurea Borges (professora, pedagoga e presidente do Conselho Municipal das Populações Afrodescendentes do MA). O espaço recebeu ainda a roda de conversa 'Bicentenário Cândido Mendes de Almeida', com Sebastião Moreira Duarte, Roque Pires Macatrão e Célio Vaz Sardinha, e mediação de Antonio Noberto, e o lançamento do livro 'A Curva do Vento', de Sanatiel Pereira.


No Espaço da Juventude, aconteceu a roda de conversa 'Ativismo Negro' com o lançamento do livro 'O Nômade' e Pocket Show com o músico Gaspar Z'Àfrica Brasil (SP). A mediação ficou por conta de Preto Nando. O livro 'O Nômade', lançado pelo selo Literarua, conta a história de um viajante que quer dar a volta ao mundo e apresenta a linguagem dos elementos da cultura hip hop, que são a dança (Biboy e Break Dance), música (DJ e MC) e artes plásticas (grafite).

"A proposta da nossa roda de conversa é trazer a visão da cultura hip hop, que é forte no Nordeste, principalmente aqui no Maranhão, que tem como referência o grupo Clã Nordestino, com o integrante Preto Nando. Faço rap com tradição da cultura popular, inclusive tenho composições com Zeca Baleiro. Um diferencial que os grupos de rap do Norte e do Nordeste têm é que são mais politizados que os do Sul", compartilha.

No Auditório Punga dos Saberes, o público conferiu a roda de conversa 'Olhares sobre o Carnaval Maranhense: do Antigo ao Contemporâneo', com participação de Wanderson dos Santos Silva - presidente da Conselho Municipal de Cultura (Comcult), Lázaro de Oliveira Pereira - Alegoria de Rua Tijupá e Presidente do Comitê de Salvaguarda do Tambor de Crioula, Joel Jacinto - jornalista e radialista, e mediação de José Ribamar Moraes - Coordenador de Eventos da Secult. Na oportunidade, os participantes fizeram uma retrospectiva de suas experiências no Carnaval e debateram sobre o período momesco em São Luís até os dias atuais.

0 comentários:

Postar um comentário

Pousada do Buriti

Yes

Duvel