Assembleia Legislativa

segunda-feira, 11 de novembro de 2019
Artesãos das cidades de São Luís, Barreirinhas e Tutóia passam a integrar um “mapa do artesanato brasileiro” e recebem apoio da ONG para potencializar a comercialização de seus produtos 


Através do projeto cultural, o artesanato maranhense ganhou um impulso a partir do último mês de outubro. A organização não-governamental (ONG) Artesol selecionou associações do estado para integrar uma plataforma nacional do artesanato brasileiro e promoveu uma capacitação que levou conhecimento sobre comunicação e tecnologia para quatro associações que trabalham com técnicas de trançado no estado. Os profissionais da ONG estão rodando o Brasil, com o objetivo de documentar as principais produções de artesanato tradicional e apoiar os artesãos na divulgação dos seus trabalhos a nível nacional e internacional. O foco é fomentar a comercialização do artesanato de raiz gerando renda e valorizando as identidades culturais de cada região do país. 


No Maranhão, os beneficiados pela iniciativa foram a Associação Buriti Artes e o Artesanato Rio Grande, de São Luís; o Grupo Artes e Talentos, da cidade de Barreirinhas; e a Associação Arte Trama, de Tutóia. Esses artesãos foram escolhidos pela Rede e passam a integrar o projeto. Esses núcleos produtivos ganham uma página dentro do portal (artesol.org.br), que serve como canal efetivo de negociação entre outros artesãos, lojistas, pesquisadores, promotores culturais e consumidores finais. 


No ano passado, durante a primeira etapa do projeto, um dos grupos selecionados foi a Cooperativa dos Artesãos dos Lençóis Maranhenses – Artecoop. As cerca de 65 mulheres que integram a organização são de 13 comunidades da região de Barreirinhas e atuam com o tricô de palha de buriti, tingido naturalmente com casca de cebola, salsa e outras plantas. Graças à visibilidade da Rede Artesol, elas foram abordadas por grandes marcas, como a Cantão e a Lenny Niemeyer, que desenvolveram coleções exclusivas em parceria com o grupo e ainda a rede l'occitane, que encomendou brindes feitos à mão para seus clientes. Além disso, as integrantes da associação foram convidadas para participar de eventos nacionais como o Festival do Fazer Artesanal, no Rio de Janeiro, e tiveram aumento da demanda para lojas de todo o país, através da plataforma do projeto.


A ONG Artesol foi fundada há 20 anos pela antropóloga Ruth Cardoso e tem como foco promover o artesanato tradicional, que é patrimônio cultural do país. Segundo a presidente da Artesol, Sonia Quintella, “mais do que inventariar saberes tradicionais que correm o risco de desaparecerem por falta de acesso ao mercado, a ideia é manter viva essa diversidade de técnicas artesanais única do Brasil, promovendo inclusão social através da cultura popular”.


Após a capacitação em campo, que teve patrocínio da Vale e apoio da Petrobras, os artesãos também vão ter acesso a um ambiente de aprendizagem à distância para continuar recebendo conteúdo nas áreas de comunicação, design e formalização, entre outros temas. 

Mapeamento da cadeia artesanal


Os artesãos que fazem parte da Rede foram selecionados a partir de um criterioso mapeamento que levou em consideração os aspectos culturais como identidade local, utilização de técnicas tradicionais, o manejo sustentável de matérias-primas, a qualidade das peças e a capacidade produtiva dos grupos.


Por meio de uma pesquisa realizada junto aos atuais membros da Rede inseridos em 2018 no projeto, 89% relataram aumento de contatos via plataforma, sendo 60% desses contatos de lojistas. 


Os artesãos também afirmaram ter recebido contatos de consumidores finais, jornalistas, turistas, estudantes e pesquisadores através do portal.

Informações 

Para mais fotos das capacitações do Maranhão, informações, contatos de artesãos que fizeram a oficina, dúvidas e quaisquer outros esclarecimentos: 
Camila Fróis | (11) 3082-8681 / (11) 96345-5278 / camila@artesol.org.br

Fotos: Theo Grahl / Artesol

0 comentários:

Postar um comentário