CAMPANHA: IPTU 2018

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017
Um mutirão trabalhando pelo acesso livre ao território. Foi o que aconteceu no último final de semana no território Sesmaria do Jardim, em Matinha, distante 190 km de São Luís. Durante uma semana, cerca de 60 moradores se organizaram e iniciaram a operação limpeza dos campos removendo capim e cercas de arame farpado que limitavam o acesso as áreas de pesca das comunidades quilombolas e de quebradeiras de coco da região. As comunidades de Pastos, Bom Jesus e São Caetano participaram dos trabalhos em uma demonstração de que a mobilização social é determinante para transformar realidades. 

A atividade, que contou com o apoio do Movimento Interestadual das Quebradeiras de coco babaçu do Maranhão, Pará, Tocantins e Piauí (MIQCB), é incentivada pelo projeto Manejo da Gente, financiado pela Climate Land and Use for Alliance (CLUA), executado pelo Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares da Universidade Federal do Pará. Mais que uma ação, o trabalho marcou o inicio da luta pela reconquista do território de maneira organizada e conduzida pelas comunidades. Os resultados foram satisfatórios; conscientização da importância da mobilização comunitária, incentivo ao trabalho coletivo, limpeza de uma grande área em Bom Jesus. 

Os trabalhos deveriam contar com a presença de policias militares para garantir a segurança, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado para a retirada das cercas elétricas e dos tratores da prefeitura de Matinha para ajudar na limpeza dos campos. “Serviços prestados pela metade; a segurança aconteceu via monitoramento (ligações), a equipe da SEMA não apareceu e os tratores somente chagaram após a pressão da comunidade, no quinto dia de trabalho”, enfatizou a coordenadora do MIQCB na região, Maria do Rosário Costa Ferreira. Ao longo dos dias, várias ameaças foram realizadas por fazendeiros ao grupo de trabalho, que ficou impendido de avançar nos trabalhos devido a presença ostensiva dos jagunços. “O importante foi à união e a consciência demonstrada aqui pelo grupo, irmanados e com o apoio das instituições reconquistaremos o território”, enfatizou dona Rosário.

Os trabalhadores rurais também colocaram suas vidas em risco, pois, além da presença de jagunços, tiveram que redobrar os cuidados com as cercas elétricas presentes no território. A prática é dos fazendeiros e posseiros locais que, de maneira ilegal, põe em risco a vida das quebradeiras de coco babaçu, quilombolas, dos pescadores, e que deixou de ser combatida pelo Governo do Estado do Maranhão com a falta de continuação da operação Baixada Livre. “A primeira e última operação de retirada foi realizada em setembro. É importante que o MIQCB e todas as instituições continuem firmes na cobrança junto aos governantes para que a operação continue”, enfatizou Rosenilde (Rosa) Gregório, também coordenadora do MIQCB.  

Outra definição importante tomada pelo grupo é impedir que os búfalos acessem o campo limpo que compreende área de plantação e o açude. “Moro aqui há quase 60 anos e ao longo do tempo percebo a qualidade do peixe comprometida com a presença dos búfalos nos campos. Não é certo limparmos a área do açude e deixar livres para esses animais, temos que priorizar a sobrevivência das pessoas”, enfatizou a quebradeira de coco babaçu, Raimunda Nonata Rodrigues, dona Dedé. 

A limpeza da área vai propiciar que a comunidade retorne com as plantações de mandioca, arroz, feijão que antes cederam lugar para a plantação de capim com o objetivo de alimentar os búfalos. A quebradeira de coco Dulcineia Pires Araújo, há 50 anos vivendo no território, lembra dos tempos em que os campos eram mais livres. “A comunidade sempre esteve por aqui, sempre vivemos da terra, dos campos, dos açudes, aos poucos os búfalos foram tomando conta de tudo. Precisamos retomar o que é nosso”, enfatizou.  
  
Sobre a limpeza dos campos 

O objetivo da limpeza é liberar o campo das plantações indesejadas, capitaneadas por invasores dessa área comum (fazendeiros e posseiros), especialmente de capim e algodão e remover as cercas de arame farpado que limitam o acesso aos recursos naturais como campos e babaçuais. Além dos moradores estarem prejudicados no dia a dia de suas atividades, principalmente, pelo acesso negado aos lagos e babaçuais, pela presença das cercas (muitas eletrificadas), as comunidades sofrem com a presença constante dos búfalos que poluem o meio ambiente e pela substituição da vegetação natural da região pelas plantações de capim. O período eleito para ação é o final da seca dos campos, no qual é possível andar a pé por toda a extensão. Em janeiro, os campos começam a encher novamente, uma vez que chega o período de chuvas, e ação fica comprometida.

0 comentários:

Postar um comentário

Hotel Pousada do Buriti

Hotel Pousada do Buriti
Barreirinhas- Maranhão

Cidadão limpeza

Yes

Posseidon Hotel Ltda

DUVEL

DUVEL
CALHAU AV. DOS HOLANDESES, QUADRA 29, Nº08, RETORNO DO CALHAU - CALHAU TELEFONE: (98) 2108-3000

Colégio Batista

Colégio Batista