Assembleia Legislativa

terça-feira, 26 de março de 2019
Troca de experiências e melhores práticas será feita no II ECriativa, a partir desta terça (26), em Florianópolis (SC)


Representantes das oito cidades brasileiras com o selo de “cidades criativas”, concedido pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), se reunirão desta terça-feira (26) até quinta-feira (28), em Florianópolis (SC), para apresentar projetos que visam impulsionar a economia criativa e trocar entre si experiências bem sucedidas e suas melhores práticas. O II ECriativa – Encontro das Cidades Criativas Brasileiras ocorre no Hotel Sesc Cacupé. Os participantes do Encontro poderão contribuir também com a elaboração de dois documentos: manifesto das Cidades Criativas Brasileiras e o Regimento da Rede Brasileira de Cidades Criativas UNESCO.

Atualmente, as cidades brasileiras que compõem a Rede Cidades Criativas da Unesco (Unesco Creative Cities Network – UCCN) são: Belém (PA), Florianópolis (SC) e Paraty (RJ), no campo da gastronomia; Brasília (DF) e Curitiba (PR), no do design; João Pessoa (PB), em artesanato e artes folclóricas; Salvador (BA), na música; e Santos (SP), no cinema. Tais municípios estão entre os 180 de 72 países destacados pelo seu histórico na atuação de alguma das sete categorias consideradas pela Unesco como impulsionadores da economia: artesanato e artes folclóricas; artes midiáticas (integração entre diferentes linguagens artísticas e novas tecnologias); design; cinema; gastronomia; literatura e música.

Para fazer parte da Rede, tais cidades se comprometem a desenvolver e compartilhar suas experiências para promover as indústrias criativas, fortalecer a participação na vida cultural, a desenvolver vínculos que os associem a setores públicos e privados e a sociedade civil e integrar a cultura às políticas de desenvolvimento urbano sustentável.

“A Secretaria Especial da Cultura é parceira no desenvolvimento de políticas públicas que apoiam os setores e territórios criativos. Junto com o Ministério do Turismo, temos trabalhado para a formação de uma rede de municípios criativos brasileiros. A ideia é que essa rede, assim como a da UNESCO, crie oportunidades de trocas de experiências, informações e que, a partir desse intercâmbio, desenvolvam políticas conjuntas para o implemento da economia criativa em seus territórios”, ressalta a coordenadora-geral de Empreendedorismo e Inovação da Secretaria Especial da Cultura, Andrea Santos Guimarães. Ela representará a Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania no evento, ao lado de integrantes do Ministério do Turismo, da UNESCO Brasil, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) Nacional e do Grupo Gestor e da Confraria do Programa Florianópolis Cidade Criativa UNESCO da Gastronomia.

Durante o encontro, Andrea apresentará as políticas que estão sendo implementadas pela Secretaria e também reforçará a articulação institucional com as cidades integrantes da rede. Para a coordenadora de Cultura da UNESCO no Brasil, Isabel de Paula, “é importante a presença da Secretaria Especial da Cultura no evento por ser uma parceira estratégica para a continuidade do fortalecimento da Rede das Cidades Criativas no Brasil. A UNESCO está junto à Secretaria nos esforços de empreender políticas públicas para o fomento da criatividade, das indústrias criativas”. Isabel também destacou a importância da presença do Ministério do Turismo, que pode apoiar e fortalecer ações para a promoção do turismo nas cidades criativas, fazendo com que façam parte dos roteiros turísticos brasileiros.

Candidaturas

Em 2019, a UNESCO abrirá convocatória para que novos municípios façam parte da Rede de Cidades Criativas. A Secretaria Especial da Cultura, por meio de edital, contratou consultores para auxiliar 15 municípios brasileiros a formularem suas candidaturas: Diamantina (MG), Campinas (SP), Rio das Ostras (RJ), Pelotas (RS), Aracajú (SE) e Taubaté (SP), que se candidatarão na categoria música; Cataguases (MG), Niterói (RJ) e Novo Hamburgo (RS) em cinema; Belo Horizonte (MG) e São Paulo (SP) em gastronomi; Itaboraí (RJ), Imbituba (SC) e Santana de Parnaíba (SP) para artesanato e artes folclóricas; e Duque de Caxias (RJ) em artes midiáticas.

A Rede Cidades Criativas da Unesco tem o objetivo de promover a cooperação internacional entre localidades com potencial de usar a criatividade como vetor estratégico para impulsionar o desenvolvimento urbano sustentável.

Entre as principais ações a serem desenvolvidas pelas cidades estão que compõem a Rede estão: compartilhar experiências, conhecimentos e melhores práticas; desenvolver projetos-piloto, parcerias e iniciativas que associam os setores público e privado e sociedade civil; realizar programas e redes de intercâmbio profissional e artístico; realizar estudos, pesquisas e avaliações sobre a experiência das Cidades criativas; realizar políticas e medidas para o desenvolvimento urbano sustentável; realizar atividades de comunicação e conscientização.

A participação das cidades na Rede não envolve financiamento nem contribuição financeira entre Unesco e a prefeitura. No entanto, a cada quatro anos, são pedidos às cidades criativas que enviem à Unesco um relatório de monitoramento, no qual terão de constar informações acerca dos compromissos assumidos com a implementação da Declaração de Missão da Rede, tanto em nível local quanto internacional; dados sobre o impacto e os incentivos no desenvolvimento de pesquisas e estudos de caso e um plano de ação para os próximos quatro anos.

A Rede é uma das parceiras-chave da Unesco para a implementação dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda de 2030 para Desenvolvimento Sustentável.



Fonte: Cultura 

0 comentários:

Postar um comentário

Pousada do Buriti

Yes

Duvel